30 de abril de 2014

Serenidade



Existe uma coisa que vem com o tempo que chama-se serenidade. 
Talvez ela venha e você nem perceba. Depois de tantas exaustões, furacões, lágrimas e dor. 
Depois de você ter vivido e percebido que não adianta viver com tanta euforia coisas que não te trazem alegria. 
E você vai encontrando, andando no seu coração e descobrindo que viver cada dia de cada vez e em paz com o seu coração. 
Passa a não ficar pensando e sim realizando, vivendo e se amando. 
Vai depositar a alegria extraordinária naquilo que é extraordinário pra você e ir dançando conforme a música. 

(Adriana Silva)

Com o tempo...


"Com o tempo, nos tornamos pessoas maduras, aprendemos a lidar com as nossas perdas e já não temos tantas ilusões.
(Martha Medeiros)

28 de abril de 2014

Oportunidades



Não importa quantos passos errados você dê, nem o que pensam de você. Quando você tem um filho nasce a oportunidade de ter um espelho em sua frente. E você passa a perceber que apesar de todas as dificuldades que passou sorri cada dia com mais força agradecendo a dádiva de viver.
Não importa nem a ideia errada que faça de si, mas veja em seu filho a oportunidade de ver a si próprio como um espelho e de tentar agir como ele: Olhar o mundo com inocência; sorrir em todos os momentos; agradecer com uma gargalhada fora de hora; ter muito amor nos olhos e no sorriso; olhar pra quem te ajuda com gratidão e amor; e sempre dizer obrigada e eu te amo. 

" Nunca se esquecer que por mais difícil que seja passar por muitas coisas, se ele superou você tem mais é que seguir o exemplo e SE SUPERAR também. Porque mais forte é aquele que se supera, que atravessa a própria dor de si mesmo e levantar e lutar todos os dias. "

(Adriana Silva)

O que é um verdadeiro amigo?



O que é um verdadeiro amigo?
Ofegante, um soldado dirige-se ao seu comandante:
- Meu amigo não voltou do campo de batalha. Comandante, solicito autorização para ir buscá-lo.
O comandante responde:
- Autorização negada! Não quero que você arrisque a vida por um homem que, provavelmente, já está morto!
O soldado, ignorando a proibição, saiu em direção ao campo de batalha. Uma hora mais tarde voltou extremamente ferido, transportando o corpo de seu amigo.
O comandante estava furioso:
- Eu não lhe disse?! Avisei que ele estaria morto! Você desrespeitou minha ordem e também quase morreu! Diga-me, valeu a pena ir até lá para trazer um cadáver?
E o soldado, moribundo, respondeu:
- Claro que sim, senhor! Quando o encontrei, ele ainda estava vivo e disse-me:
“Tinha certeza que você voltaria para me buscar!”
Um amigo de verdade é aquele que chega quando todos já se foram...


Autor: Desconhecido

A Paz Perfeita


Certa vez, um rei, notável por sua sabedoria e bondade, teve de escolher entre duas pinturas, qual mais representava a paz perfeita.

A primeira pintura era um lago muito tranquilo, um espelho perfeito onde se refletiam algumas plácidas montanhas que o rodeavam. Estavam cobertas de arvorezinhas verdes e sobre elas encontrava-se um céu muito azul com nuvens brancas. Todos os que olharam para esta pintura pensaram que ela refletia a paz perfeita.

Já a segunda pintura também tinha montanhas, mas eram rochosas. Não tinham uma só árvore. O céu era escuro, cheio de nuvens carregadas e raios. Uma verdadeira tempestade. Tudo isto não era nada pacífico. Era na verdade, tão assustador que os que olhavam a pintura pareciam ouvir o barulho dos trovões. Mas, quando o rei observou mais atentamente, reparou que atrás de uma cascata na montanha havia um pequeno galho de planta saindo de uma fenda na rocha. Neste galho encontrava-se um ninho. Ali, no meio do ruído da violenta camada de água, estava um passarinho calmamente sentado em seu ninho. A paz perfeita. O rei escolheu essa segunda pintura.

As pessoas do reino não entenderam a escolha do rei, ficaram estupefatas:
- Como pode esta paisagem de verdadeiro caos simbolizar a paz perfeita?
O rei mostrou o pássaro em seu ninho em meio aquele cenário caótico e explicou:
- Paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas, ou sem dor. Paz significa, apesar de estar no meio de tudo isso, permanecermos calmos e tranquilos em nosso coração. Este é o verdadeiro significado da paz.

Fonte da Página : Carlos Hilsdorf

25 de abril de 2014

A aluna Rosa




No primeiro dia de aula da universidade, o professor se apresentou e nos desafiou a que nos apresentássemos a alguém que não conhecêssemos ainda. Eu fiquei em pé para olhar ao redor quando uma mão suave tocou meu ombro. Olhei para trás e vi uma pequena senhora, de bastante idade, sorrindo radiante para mim, com um sorriso que iluminava todo o seu ser.
Ela disse:
- Hei, bonitão. Meu nome é Rosa. Eu tenho oitenta anos de idade. Posso te dar um abraço?
- Eu ri, e respondi entusiasticamente:
- É claro que pode! - e ela me deu um gigantesco apertão.
- Por que você está na faculdade? - perguntei.
Ela respondeu brincalhona:
- Estou aqui para encontrar um marido rico, casar, ter um casal de filhos, e então me aposentar e viajar.
- Está brincando - eu disse. Eu estava curioso em saber o que a havia motivado a entrar neste desafio com a sua idade, e ela disse:
- Eu sempre sonhei em ter um estudo universitário, e agora estou tendo um!
Após a aula nós caminhamos para o prédio da união dos estudantes, e dividimos um milk shake de chocolate na lanchonete. Nos tornamos amigos instantaneamente.
Todos os dias nos próximos quatro anos nós teríamos aula juntos e falaríamos sem parar.
Eu ficava sempre extasiado ouvindo aquela "máquina do tempo" compartilhar sua experiência e sabedoria comigo.
Ao longo do curso, Rosa tornou-se um ícone no campus universitário, e fazia amigos facilmente, onde quer que fosse.
Ela adorava vestir-se bem, e participava de tudo na universidade. Ela estava realmente curtindo a vida!
Na formatura, nós convidamos Rosa para discursar. Jamais esquecerei do que ela nos ensinou.
Ela foi apresentada e se aproximou do microfone. Quando ela começou a ler a sua fala preparada, deixou cair três das cinco folhas no chão.
Frustrada e um pouco embaraçada, ela pegou o microfone e disse simplesmente: Desculpe-me, eu estou tão nervosa que não conseguirei colocar meus papéis em ordem de novo, então me deixe apenas falar para vocês sobre aquilo que eu sei.
Enquanto nós ríamos, ela limpou sua garganta e começou:
- Nunca é tarde demais para ser tudo aquilo que você pode ser. Existem somente quatro segredos para continuarmos jovens, felizes e conseguindo sucesso. Você precisa rir. Você precisa ter um sonho. Você não pode ter medo das mudanças. E você não pode ter remorsos.
Quando você perde seus sonhos, você morre. Nós temos tantas pessoas caminhando por aí que estão mortas e nem desconfiam! Há uma enorme diferença entre ficar velho e crescer.
Se você tem dezenove anos de idade e ficar deitado na cama por um ano inteiro, sem fazer nada de produtivo, você ficará com vinte anos. Se eu tenho oitenta e quatro anos e ficar na cama por um ano e não fizer coisa alguma, eu ficarei com oitenta e cinco anos. Qualquer um consegue ficar mais velho! Isso não exige talento nem habilidade! A ideia é crescer através de novidades, de mudanças. Não tenha remorsos. Os velhos geralmente não se arrependem daquilo que fizeram, mas sim por aquelas coisas que deixaram de fazer. As únicas pessoas que têm medo da morte são aquelas que têm remorsos.
Lembrem-se sempre disto: Há uma enorme diferença entre ficar velho e crescer. Sigam meu conselho: não envelheçam!
Após seu discurso, foi aplaudida de pé, por um público emocionado.

Uma semana depois da formatura, Rosa faleceu tranquilamente em seu sono.
Mais de dois mil alunos da faculdade foram ao seu funeral, em tributo à maravilhosa mulher que ensinou, através de seu exemplo, que nunca é tarde demais para ser tudo aquilo que você pode ser.

(autor anônimo - história baseada, segundo a fonte, em fatos reais)

Fonte da Página:
Carlos Hilsdorf

23 de abril de 2014

Não julgue ninguém



Numa época em que um sorvete custava muito menos do que hoje, um menino de 10 anos entrou numa sorveteria e sentou-se a uma mesa. A garçonete veio atendê-lo:
- O que você deseja? – diz a garçonete.
- Quanto custa um sundae? - ele pergunta.
- São 50 centavos - responde a garçonete.
O menino puxou as moedas do bolso e começou a contá-las.
- Bem, quanto custa o sorvete simples? - ele pergunta.
A essa altura, pessoas estavam esperando por mesas, outros clientes aguardando seus pedidos, e a garçonete, perdendo a paciência...
- 35 centavos - respondeu ela, de maneira brusca.
O menino, mais uma vez, contou as moedas e disse:
- Então, eu vou querer um sorvete simples de morango.
A garçonete trouxe o sorvete simples e a conta. Colocou-os na mesa e saiu.
O menino terminou de tomar o sorvete, foi ao caixa, pagou a conta e saiu, acenando com um sorriso para a garçonete.
Quando a garçonete voltou para limpar a mesa do garoto, notou, ao lado do prato, 15 centavos em moedas. A garçonete começou a chorar copiosamente. O menino não pediu o sundae porque ele queria que lhe sobrasse moedas para a gorjeta da garçonete.


Moral da história: não devemos julgar ninguém ou ter opiniões precipitadas. Não conhecemos o coração, os verdadeiros sentimentos e valores das pessoas. Trate os outros como você gostaria de ser tratado. A humildade ainda é a melhor qualidade do ser humano!

Fonte da Página: Carlos Hilsdorf

Maturidade


Maturidade é
Saber falar "eu errei".
É ter ousadia para dizer "me perdoe".
É ter a capacidade para expressar
"eu preciso de você".

Fernando Pessoa

Você vai me olhar, me julgar, tirar conclusões precipitadas, mas ainda assim não vai me conhecer.


Você vai me olhar, me julgar, tirar conclusões precipitadas, mas ainda assim não vai me conhecer.

Eminem

21 de abril de 2014

Experimente e seja feliz!


Para quem olha a vida com bons olhos, a felicidade é natural, não precisa de motivo. É um hábito que precisa ser cultivado.
Enxergar as coisas boas que possui, não absorver os problemas dos outros sabendo que cada um responde por si, alivia e acalma.
Saber esperar, fazer o melhor, acreditar que a vida sabe mostrar a cada um o que precisa aprender é ficar em paz e enfrentar os desafios do amadurecimento com inteligência.
Tudo é natural, faz parte da vida. Experimente e seja feliz!
Zibia Gasparetto


Desapega!



Desapega!

É preciso coragem, disposição, humildade e muita força de vontade para abandonar as coisas. Nós nos apegamos demais! Apego não faz bem à vida.
Considere as coisas e situações como transitórias; acostume-se a abandonar as coisas, partindo sempre daquelas que você já percebe como menos necessárias. Comece limpando as gavetas, separando no guarda-roupa as roupas que não tem usado nos últimos meses. Parece incrível, mas organizar gavetas e guarda-roupas ajuda a organizar as ideias e, em consequência, a própria vida. Quando você coloca o princípio da organização em movimento, tudo melhora. Felicidade e paz não combinam com bagunça.
Abandone tudo aquilo que não faz sentido, não faz falta, não faz diferença e não faz bem. Isso inclui certos tipos de conversas, leituras, amizades, hábitos. Mantenha somente o necessário, o que agrega.


Carlos Hilsdorf

18 de abril de 2014

O verdadeiro sentido da Sexta Feira Santa


Sexta-Feira santa não torna ninguém um santo.
O que faz a diferença é tudo o que você fez todos os dias (na medida do possível) para ficar mais perto dos ensinamentos de Jesus.
Se você acredita NELE o mínimo que deve fazer é segui-lo. Não importa a sua religião. Não importa se não acredita NELE. Ele está ao seu lado agora.
Se a cada dia tentarmos ser alguém melhor com certeza essa é a resposta de que Deus espera de você.
Não somos perfeitos, mas somos uma obra inacabada que pode ser lapidada pelas atitudes bonitas que só podem ser vistas por quem realmente nos amar de todo o coração.
Seguir Jesus não é ficar só na igreja e sim praticar com amor tudo o que sabe e tentar ser um exemplo. Porque palavras não bastam sem atitudes. Sem compaixão, nada do que fizer no templo será válido se fora praticares a maldade, a ingratidão, a injustiça e a maledicência. 
(Adriana Silva) 

Sexta-feira Santa


A quem pertence o presente?


Numa pequena província no Japão vivia um grande samurai, já idoso, que agora se dedicava a ensinar o zen aos jovens. Apesar de sua idade, existia uma lenda de que o mestre ainda era capaz de derrotar qualquer adversário. Certa tarde, um jovem guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação, fazendo com que seu adversário perdesse a calma e agisse com raiva. Ele esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua própria fama. Todos os estudantes se manifestaram contra a ideia, mas o velho aceitou o desafio. Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho samurai. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível, não se abalava com nada. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se. Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, seus alunos perguntaram: - Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós? O mestre então disse: - Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente? - perguntou o Samurai. A quem tentou entregá-lo - respondeu um dos discípulos. - O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos - disse o mestre. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os trouxe consigo. A sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma se você não permitir.

(Desconheço a autoria)

16 de abril de 2014

" Ninguém é digno do oásis se não aprender a atravessar seus desertos."


Jamais permita que te culpe por coisas que você não tem responsabilidade.



" Jamais permita que alguém coloque em você uma culpa que não tem. Cada um é responsável por suas escolhas e precisa assumir as consequências delas. Quando assumimos um erro alheio, em nada contribuímos, pois prejudicamos o seu aprendizado e atrasamos a sua evolução."
(Desconheço a autoria)

14 de abril de 2014

Livrai-me!


Livrai-me de tudo o que me trava o  riso.
(Caio F. Abreu)

Somos o que fazemos.


" Somos o que fazemos,
E principalmente o que fazemos
para mudar o que somos. "
( EDUARDO GALEANO)

O pacote de bolachas


Uma moça aguardava seu voo na sala de embarque de um grande aeroporto. Como deveria esperar algumas horas, resolveu comprar um livro para passar o tempo. Comprou também um pacote de bolachas e sentou-se numa poltrona na sala vip do aeroporto para que pudesse descansar e ler em paz.
Enquanto ela lia seu livro, sentou-se ao seu lado um homem. Após algumas páginas, ela pegou a primeira bolacha do pacote. O homem também pegou uma. Ela se sentiu indignada, mas não disse nada.
A cada bolacha que ela pegava o homem também pegava uma. Aquilo a deixava tão indignada que nem conseguia reagir. Ela só respirava fundo e fazia cara feia. Quando restava apenas uma bolacha, ela pensou: "O que será que esse abusado fará agora?"
Então o homem dividiu a última bolacha ao meio deixando a outra metade para ela. Ah! Aquilo era demais! Ela estava explodindo de raiva!
Seu voo é anunciado. Ela pega seu livro e suas coisas e se dirigiu ao embarque. Entra no avião e se acomoda na poltrona. Então, ela abre a bolsa para pegar uma bala. Para sua surpresa o pacote de bolachas estava lá, ainda intacto, fechadinho.
Ela sentiu tanta vergonha! Só então percebeu que a errada era ela. Distraidamente, havia guardado seu pacote de bolachas dentro da bolsa e o homem havia dividido as bolachas dele sem sentir-se indignado, nervoso ou irritado. Infelizmente, já não havia mais tempo para se explicar ou pedir desculpas...


Quantas vezes, em nossa vida, nós é que estamos comendo a “bolacha” dos outros, e não temos consciência disso?!
Antes de concluir, observe melhor!
Talvez as coisas não sejam exatamente como pensa!
Não pense o que não sabe sobre as pessoas.
Existem 4 coisas que não se recuperam ...
a pedra... depois de atirada!
a palavra... depois de proferida!
a ocasião... depois de perdida!
e o tempo... depois de passado!
Pensem nisso...


Fonte: Reflexões e mensagens.



9 de abril de 2014

Foco nos objetivos




 Beto era um adolescente que vivia “pisando na bola”, desregrado, bagunceiro, matava as aulas para se divertir. Um dia o professor o chamou para uma conversa: - Beto, sei que você tem potencial, que é muito inteligente, mas está cometendo erros que podem prejudicar sua vida – disse o professor. Meio sem jeito, Beto perguntou: – Professor, o que devo fazer para não cometer tantos erros? Tenho me esforçado, mas não estou conseguindo melhorar! O professor então pegou um copo, encheu-o de água até a boca e entregou-o a Beto, dizendo: – Ande com esse copo por todo o colégio, suba e desça todas as escadas, entre em todos os cantos, nos jardins, classes, corredores, e volte aqui sem derramar uma só gota. – Ah professor, isso é impossível! – Respondeu Beto. – Pelo menos tente. Tenho certeza que vai conseguir – disse o mestre. Beto então saiu, devagar, com os olhos fixos no copo. Subiu e desceu escadas, entrou e saiu das salas, corredores, percorreu todos os cantos do colégio, e voltou sem ter derramado uma só gota de água. O professor sorri para Beto, bate em seus ombros e lhe diz: - Você não viu as garotas que passeavam pelo jardim no horário de aula? Não viu seus colegas matando aula para bagunçar e jogar baralho? – Não. Eu estava com os olhos fixos no copo – respondeu Beto. O mestre então diz: – Quando você estabelece objetivos, metas para sua vida, e coloca seu foco neles, assim como fez com o copo, encontrará a força e a motivação necessárias para vencer os desafios e as dificuldades da vida.


Compartilhei esta clássica história para relembramos como é mais simples focar do que costumamos considerar.... 
Paz e Alegria, 
Carlos Hilsdorf

Caminho.



Esse é o caminho: Assumir a própria vida, reconhecer o próprio poder, acreditar na própria capacidade, favorece o desenvolvimento da consciência, abre o caminho ao progresso interior. Juntar a isso o esforço de buscar conhecimento, vivenciar as experiências, procurando o entendimento evitará as ilusões, lhe mostrará a verdade. Suas escolhas serão objetivas e seus projetos se materializarão. Não é isso que você quer? 

Zíbia Gasparetto

4 de abril de 2014

Nunca subestime os outros.


Na primeira aula do Curso de Medicina, um famoso professor dirige-se ao aluno que trajava as roupas mais simples da classe, e pergunta:

- Quantos rins nós temos?
- Quatro! - responde o aluno.
- Quatro?! - replica o professor, com arrogância, sentindo prazer em tripudiar o erro do aluno.
- Sim, quatro! – confirma o aluno.
- Tragam um fardo de feno, pois temos um burro na sala! - diz o professor.
- Toda a classe cai na gargalhada.
- Mas são quatro mesmo, professor – reafirma o aluno.
O professor fica furioso e expulsa-o da sala.
O aluno levanta-se, dirige-se à porta da classe, mas antes de sair, diz:
- O senhor perguntou-me quantos rins “NÓS TEMOS...” Bem, “NÓS” temos quatro: dois meus e dois seus. “NÓS” é usado para expressar o plural.

Moral da História:
Às vezes as pessoas, por terem um pouco a mais de conhecimento ou acreditarem que o tem, perdem a humildade e acham-se no direito de subestimar os outros.
A vida exige muito mais sabedoria do que conhecimento.

Como eu sempre repito em minhas palestras, ser humilde não é ser menos que alguém. É saber que não somos mais que ninguém.
 
Carlos Hilsdorf

Cargas desnecessárias



Um viajante caminhava cansado pela estrada, levando uma grande pedra nas mãos. Nas costas ainda carregava um pesado saco de terra.
No caminho, uma pessoa viu sua dificuldade e lhe perguntou:
- Cansado viajante, por que carrega essa pedra tão grande?
- É estranho, mas eu não tinha realmente notado que ainda a carregava. Ela não tem mais utilidade para mim – disse o viajante.
Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor.
Mais adiante, outra pessoa cruza seu caminho e lhe pergunta:
- Por que carrega esse saco de terra tão pesado?
- Estou contente que me tenha feito essa pergunta - disse o viajante - porque eu não tinha percebido que não precisarei mais dele.
Desfez-se do saco de terra, e percebeu que tornou-se um homem mais livre e passou a caminhar mais tranquilo e feliz.
(autor desconhecido)

Qual era na verdade o problema dele? A pedra? O saco de terra? Não. Era o apego e a falta de consciência da existência desses pesos. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas e já não se sentia mais tão cansado.

Coloquei esta breve e conhecida história porque ela nos traz um precioso ensinamento que sempre abordo em minhas palestras. Abandone tudo aquilo que não condiz com seu caráter, sentido de vida, objetivos e metas. Tudo que não agrega, que te distrai e te afasta da direção que decidiu dar à sua vida deve ser abandonado em favor desta causa maior. Muitas pessoas não chegam onde desejam porque ficam prisioneiras do apego a hábitos, circunstâncias e outras questões. O apego é uma âncora que mantém você preso onde está agora.

Carlos Hilsdorf
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...